Stress, Burnout e Suicídio
nas Forças Policiais

Live 27 Outubro, 2022

Stress e Burnout nas Forças de Segurança

As forças policiais desempenham um papel essencial na manutenção da ordem e segurança pública. No entanto, os agentes policiais enfrentam uma série de desafios que podem ter impacto negativo na saúde mental e bem-estar.

Neste artigo, vamos explorar os temas do stress, burnout e suicídio nas forças policiais. Além disso, partilharemos insights de uma live realizada com dois especialistas no assunto: Miguel Rodrigues, dirigente do SIAP/PSP, e Rute Pereira, polícia doutoranda em criminologia.

 

I. O Contexto das Forças Policiais

As forças policiais têm como objetivo principal proteger e servir a comunidade, desde o combate à criminalidade até à gestão de emergências. São atividades extremamente stressantes, envolvendo riscos à própria segurança e bem-estar. Torna-se fundamental entender a importância da saúde mental e bem-estar no desempenho destes profissionais.

II. O Stress nas Forças Policiais

Os agentes policiais são expostos a crimes violentos, acidentes, situações de perigo iminente e pressão constante. O stress crónico provoca problemas de saúde mental, como ansiedade, depressão e transtorno de stress pós-traumático. Durante a live, Miguel Rodrigues e Rute Pereira partilharam experiências onde destacaram desafios específicos enfrentados pelos agentes da polícia.

III. O Burnout

O Esgotamento Profissional, burnout, é um estado de exaustão física, emocional e mental causado pelo desgaste profissional prolongado. O ambiente de trabalho exigente, a carga horária irregular, a pressão e exposição frequente a situações traumáticas contribuem para o desenvolvimento do burnout. Durante a live, foram discutidos os sintomas e as consequências desse esgotamento, bem como estratégias e medidas preventivas para enfrentá-lo.

IV. O Suicídio

Infelizmente uma realidade alarmante nas forças de segurança. O stress crónico, o burnout e a exposição permanente a eventos traumáticos podem levar ao suicídio. É crucial reconhecer precocemente os sinais de suicídio e fornecer apoio profissional especializado.

V. Estratégias de Intervenção e Apoio

É crucial implementar estratégias de intervenção para preservar a saúde mental dos agentes policiais. Programas de apoio psicológico, treinos de resiliência e estratégias de autocuidado, são alguns exemplos a colocar em prática. Além disso, a liderança e as políticas organizacionais devem apostar no acesso a apoio especializado.
O stress, burnout e suicídio são desafios nas forças policiais. Compreender estas questões é essencial para promover a saúde mental e o bem-estar dos agentes. Durante a live com o Miguel Rodrigues e a Rute Pereira, foram partilhados valiosos insights sobre o tema. Tanto as organizações policiais quanto a sociedade em geral devem envolver-se na implementação de medidas de apoio e prevenção.

Causas do stress e burnout nas forças policiais

  • Trabalho em ambiente de stress permanente;
  • Desgaste físico, mental e emocional;
  • Lideranças desumanizadas e inflexíveis;
  • Falta de estratégias de prevenção;
  • Falhanço no diagnóstico precoce;
  • Fracas condições remuneratórias e baixo subsídio de risco;
  • Ausência de reconhecimento;
  • Formação e preparação insuficientes para lidar com stress e burnout.

Em suma, as forças de segurança são o garante do estado de direito e da democracia. A competência, formação, reconhecimento, condições sociais e remuneratórias dignas e justas e o equilíbrio emocional das forças policiais são essenciais para cumprir esse objetivo.

As forças policiais são a entidade principal encarregue de manter a ordem pública e a paz social. O estudo do burnout é imprescindível numa profissão que tem como valor máximo defender os direitos, liberdades e garantias de todos os cidadãos. Nos nossos dias este problema atinge proporções importantes das quais só conhecemos a ponta do iceberg. O stress e o burnout são um problema sério e grave nas forças de segurança.

São profissões muito desgastantes e com propensão a stress, burnout, depressão, ansiedade e a perturbação de stress pós-traumático (PSPT). Ser agente da polícia implica lidar com violência, mortes súbitas, acidentes graves e todo o tipo de incidentes de alto impacto emocional.

A saúde mental, emocional e física encontra-se, frequentemente, ameaçada com impactos na vida pessoal e familiar. A taxa de suicídio é alta e representa um problema de saúde pública. “É urgente olharmos para esta realidade!”

Referências bibliográficas:

  • Rodrigues, Miguel (2018). Os polícias não choram. Prime Books
  • -Carlier, I. V. E., Voerman, A. E., & Gersons, B. P. R. (2000). The influence of occupational debriefing on post-traumatic stress symptomatology in traumatized police officers. The British Journal of Psychiatry, 177(1), 76-81.
  • Violanti, J. M., & Paton, D. (2015). Police Trauma and Well-Being: Occupational Health and Safety Issues. In J. M. Violanti & D. Paton (Eds.), The Routledge International Handbook of Police and Public Safety Psychology (pp. 103-117). Routledge.
  • Burke, R. J., & Mikkelsen, A. (Eds.). (2006). Burnout in Law Enforcement: Psychological, Health, and Performance Consequences. CRC Press.
  • Mitchell, J. T. (2000). When disaster strikes… the critical incident stress debriefing process (2nd ed.). Chevron.
  • Joinson, C. (2007). Coping with compassion fatigue. Nursing Standard, 22(39), 42-46.

Para mais informações ou agendar consulta clique aqui.

Últimos artigos do blog

Sexualidade e Sexologia Clínica

Fevereiro 14, 2024

Sexualidade e Sexologia Clínica   Abordar um tema tão abrangente como a sexualidade envolve um discurso sobre um corpo físico que transporta toda a sua representação psíquica. O equilíbrio entre…