Autoconhecimento-e-Autoestima-especialidade-online

Sexologia, Autoestima
e Autoconhecimento

“Não me sinto bem comigo própria e não entendo o que se passa dentro de mim. Desconheço os motivos que me levam a tomar certas atitudes. Porque reagi daquela forma? Chego a ficar bloqueada e confusa. Por vezes, penso que não gosto de mim nem do meu corpo. Tenho que ultrapassar estas barreiras e avançar.

Necessito de ajuda!”

Sobre

 

Sexualidade

Abordar um tema tão abrangente como a sexualidade envolve um discurso sobre um corpo físico que transporta toda a sua representação psíquica. O equilíbrio entre o corpo e a alma devem ser conhecidos, dignificados e respeitados porque são a chave da felicidade.

Falar sobre sexualidade tem que se lhe diga, não tem? Trata-se de um tema muito mediatizado: as dúvidas são muitas, a informação dúbia, o tabu muito presente, contudo é um tema do máximo interesse e grande atualidade! Há muito desconhecimento e muito terreno a desbravar.

Alguns meios de comunicação publicitam frequentemente o sexo, porém, a informação veiculada pelos media pode tornar-se sombria, confusa, incorreta, gerando mais negativismo do que felicidade no desempenho sexual de cada um.

O sexo encontra-se envolvido por crenças limitadoras e tabus, ainda hoje, longe de serem descortinados. A cultura, a religião, os valores, a educação e o julgamento de uma sociedade patriarcal, tempera o quotidiano das relações.

É inegável a importância da saúde sexual na vida de cada um. Segundo a Organização Mundial de Saúde é sinônimo de qualidade de vida.
A sexualidade é “uma energia que nos motiva a procurar amor, contacto, ternura e intimidade, que se integra no modo como nos sentimos, movemos, tocamos e somos tocados, é ser-se sensual e ao mesmo tempo sexual. Influencia pensamentos sentimentos, ações e interações e, por isso, influencia também a nossa saúde física e mental.” (OMS, 1992)

Não existem dúvidas que uma sexualidade saudável contribui para o bem-estar físico, emocional, mental e social do ser humano.

Como se sente na esfera sexual? Encontra-se em equilíbrio ou sente que precisa da ajuda de um terapeuta sexual?

Na consulta de sexologia não fica mal falar de nada. É o espaço certo para conversar sobre tudo. Seguem alguns exemplos:

• Preconceitos
• Sentimentos
• Crenças
• Traumas
• Abuso
• Falta de desejo e excitação sexual
• Insatisfação com a quantidade e qualidade do sexo no relacionamento
• Disfunções sexuais

Quais as principais queixas das mulheres e dos homens na consulta de sexologia?

Nas mulheres:

• Falta de desejo sexual
• Dispareunia
• Vaginismo
• Anorgasmia

Nos homens:

• Falta de desejo sexual
• Insatisfação com a performance sexual
• Disfunção erétil
• Ejaculação precoce

Uma das queixas mais comuns nas consultas de sexologia é a diminuição ou perda do desejo sexual que pode acontecer em todas as idades.
O problema do desejo ou a falta de entusiasmo deve ser sempre analisado em contexto relacional. A qualidade da intimidade emocional, conflitos, episódios de hostilidade, falta de atração pelo parceiro(a), deserotização da relação, sexo inscrito na rotina sem surpresa e novidade, apoderam-se do quotidiano temperando as relações com desinteresse e afastamento.
Investigações científicas revelam que “a satisfação sexual feminina está associada à satisfação no relacionamento”, Erick Janssen.

É possível construir um património de vivências positivas e satisfatórias na esfera sexual? Sim, é possível. E destaca-se a importância da autoestima e do autoconhecimento como ingredientes base nessa trajetória.

 

Autoestima

“A beleza começa no momento em que decide ser você mesma”, Coco Chanel.

Pode olhar para o corpo e reconhecer beleza e cuidado ou pode fazê-lo com um diapasão crítico que valorize o sofrimento que essas características lhe trazem. Ou ainda, poderá valorizar marcas visíveis na pele escolhendo se as coloca ao lado dos defeitos ou das qualidades em função das vivências marcantes que elas representam.
Dificilmente se pode considerar com boa autoestima se por tudo e por nada critica os seus pequenos defeitos. Para além da autoestima sobre o seu aspeto, deve olhar para dentro e reconhecer as falhas que fazem parte da sua singularidade. A autoestima pressupõe que se aceite e respeite os pontos fortes e fracos, sendo consciente de quem é.

 

Autoconhecimento

Saúde psicológica implica ter autoconhecimento.
A procura pelo autoconhecimento remonta à Grécia antiga, onde o filósofo Sócrates deixou uma autorreflexão com a afirmação “Conhece a ti mesmo”. Esta frase abre portas para o exercício da autodescoberta e tomada de consciência do que se passa dentro de si.
O conhecimento de si mesma e do seu mundo interior é uma jornada a percorrer até ao final da vida. Do nascimento à morte surgirão várias oportunidades de desenvolvimento das suas capacidades. Bobbie Carlyle, artista plástica, na sua escultura “Self Made Man” mostra um homem a esculpir-se a partir de uma pedra bruta. Esta peça de arte representa a construção permanente do caráter do ser humano traduzida na expressão: “eu lapido-me, desenvolvendo ferramentas, competências e conhecimentos que me permitirão ser melhor e mais feliz”.

O percurso do autoconhecimento é uma oportunidade única e individual com contribuições na vida afetiva e profissional.
Autoconhecimento é poder e as vantagens são inegáveis: saúde psicológica; diminuição de conflitos laborais e familiares; melhoria de estratégias face ao stress; maior assertividade; maior empatia consigo e com os outros; autoaceitação e compaixão; aumento da autoestima e autoconfiança; realização e transformação pessoal; sexualidade prazerosa e satisfatória.

Se está a deparar-se com problemas na sua sexualidade, pode ser sinal de precisar de ajuda. As sessões de terapia sexual têm como objetivo lidar com as dificuldades e questões sexuais de cada um.

Procure ajuda se identificar em si os seguintes problemas:

• Não gostar de si nem do seu corpo;
• Sentimentos de medo, culpa ou vergonha;
• Insatisfação no prazer e sexualidade;
• Diminuição ou perda do desejo sexual;
• Dúvidas sobre a sua sexualidade;
• Dificuldades no seu relacionamento;
• Baixa autoestima.

Se tem dúvidas sobre o tema, marque uma consulta aqui e veja como se sente.